X
#TudãoDaLola

#TudãoDaLola – Um cafezinho vibrante

7 de janeiro de 2016 17

Começo de ano, começo de mês, começo de semana, começo de dia. Isso me alivia e me desespera. Tudo de novo.

Infecção, não. Infestação, também não. Fugiu a palavra. Como é que chama quando você toma muito café e passa mal? Eu estou com “lálálá” de caféina. Poderia ser convulsão de cafeína, mas não é. Pior do que estar assim, é tentar lembrar uma palavra pra começar seu texto com a mente acelerada e ela estar na ponta da língua mas não sair. Acho que começa com I de índio, indiana ou de impressionante, por que eu bebi tanto café?

Pra acordar.

Acordei com sono. Nunca gostei de café, mas comecei a tomar nessas situações que precisava viver a vida, ser produtiva, trabalhar quando na verdade queria dormir. Da mesma forma que aprendi a tomar cerveja. Tinha 15 anos e os churrascos só tinham cerveja e linguiça – era o que dava pra bancar com o orçamento da mesada. Tomava tapando o nariz num gole só, até que um dia virou bom. O café continua ruim.

Dormi mal, mas o mundo não vai esperar eu dormir mais. Talvez seja só a minha cabeça que argumente isso. O mundo somos quem? Os outros? Os outros não estão nem aí se eu dormir mais. Cada um está muito preocupado com o seu próprio umbigo ou com o seu próprio café. Mas nós dizemos que o mundo não espera, como se o mundo fosse uma pessoa irritada batendo na porta, dizendo que você está atrasado.

Por que não acordou mais cedo? Por que não trabalhou mais? Vai trabalhar vagabundo! Enquanto você tá aí de bobeira, lendo esse texto, tem outra pessoa passando na sua frente na corrida do dinheiro-fama-sucesso-carreira- felicidade. Um ano terminou e outro começa. Então corre, mesmo que seja como uma barata tonta, de um lado pro outro, enquanto o mundo (olha aí ele de novo) gira, nesse universo infinito que a gente não sabe porque está, nem pra que está.

Dormi mal porque acordei muito durante a noite. Em algumas acordadas percebi que estava babando litros no travesseiro. Toda a minha produção de saliva escorria boca afora. Levantei 30 minutos depois do planejado, tomei o 1o café e saí andando rápido, mesmo não estando atrasada.

Tá com pressa do que? Queria ter ido malhar antes da reunião, não deu. Queria ter escrito antes da reunião, não deu também. Queria ter feito tanta coisa que não fiz nada. Fiquei ali, presa no campo mental. No caminho, em alguns bares e padocas, cervejas e cafés rolando à solta, enquanto na sua casa, você estava:

a)babando as Cataras do Iguaçu

b)tomando seu cafezinho

c)sonhando com a cerveja gelada que você poderia estar tomando na praia nesse calor enquanto se arruma pro trabalho

d) nenhuma das opções acima, quem essa menina pensa que é pra saber o que eu estava fazendo

Somos todos muito parecidos, apesar de termos certeza de que somos diferentes.

Cheguei meia hora antes do horário, mandei outro café pra dentro enquanto esperava. Seu Nespresso é curto ou longo? Podia estar recebendo pra falar NESPRESSO, mas não estou. Achei ruim e não fiz cara feia.

Na reunião, outro café. Você prefere pleno ou vibrante? A Nespresso ficou complexa. Fiquei em dúvida se eu estava plena ou vibrante. Tomei o vibrante, pensando no pleno. Mas não queria nem um nem o outro, não pensei, só tomei.

No meio da caneca o corpo aponta os primeiros sinais de exagero com enjôo e taquicardia. Queria ser consumidora de café assim como queria ser consumidora do sexo desapegado. Pega, toma, larga e vai embora. Mas não sou nenhum dos dois. Romântica do café e do amor. Sensível a cafeína, câncer em câncer. Pegajosa como a cachoeira de baba no meu travesseiro da noite anterior.

E no final do dia, tudo isso é inútil porque a Coréia do Norte vai explodir a bomba e vai tudo pros ares: a palavra que eu não me lembro pra começar o texto, a cerveja que eu aprendi a gostar aos 15 anos, o trabalho que eu corria atrás sem saber porque, o tempo que passa cada vez mais rápido e o café, que me deixou… INTOXICADA.

coreiadonorte

 

Aceita um cafezinho? Yes, please.

4
The following two tabs change content below.
Alguém ou algo (vai saber) com sérias dificuldades para se descrever. Vamos tomar um café?

Latest posts by Lola Claure (see all)