X

xoxota

#TudãoDaLola
#TudãoDaLola – Vamos falar de boceta?
25 de setembro de 2015 at 02:50 0
Vamos falar de boceta? Tem gente que acha agressivo esse nome. Então vamos falar de vagina? Esquisito esse. Científico demais.

Serve falar de perereca?

Xoxota? Tem algum nome para o órgão sexual ou para aquela parte do corpo que você pode achar guardado entre as pernas de toda mulher que seja fofo ou agradável? Por que temos tanto medo de falar de boceta? Tabu. Lacan confirma "o sexo da mulher é impossível de representar, dizer e nomear”. Esses dias estava lendo um texto sobre o quadro A Origem do Mundo. Para quem não conhecia, agora conhece: a-origem-do-mundo

Bu!

A autora do texto contava sobre o surto que a empregada dela teve depois que viu o quadro pendurado na parede. Segundo ela, a empregada Emília gritava: "É o fim do mundo! Que horror! Coisa do demônio!"  Fico me perguntando se a Emília tinha ideia que a coisa do demônio habita o meio das suas pernas. Infelizmente a resposta talvez seja não. Uma Emília que cresceu num ambiente onde levaria um tapa do pai na boca - ou pior, da mãe - se falasse em casa a palavra boceta. "Deus tá vendo minha filha". E provavelmente, ela e muitas outras mulheres acham que a coisa do demo que ali habita serve só pra fazer xixi e para ser metida (nesse sentido que você pensou mesmo). "Olha que Deus tá vendo". Há alguns anos atrás criei um grupo artístico, o Coletivo Mastruço, para pesquisar temas sobre a intimidade. Nossa primeira peça aconteceu dentro de um banheiro feminino e a cena final era uma conversa entre bocetas. Nos ensaios descobrimos no nosso corpo como seria se as nossas bocetas falassem. Depois de tantos anos esquecida, a minha querida tinha muito o que falar, com razão. Foi a primeira vez que de fato enxerguei minha buça (como carinhosamente a chamo hoje em dia). Um dia peguei um espelho e fiquei ali olhando. Um novo mundo que se abria. Meu corpo lindo e amado. Melhor que qualquer aula de ciências. Um acontecimento cheio de amor e poesia pela minha querida bu. Antes eu achava que era buceta. Depois desse trabalho, descobri que é bo.

Hoje falo boceta como falo bom dia.

Cotidiano. Converso sobre boceta assim como converso sobre a previsão do tempo. O peso e o preconceito está em você aí do outro lado me julgando por falar tantas vezes boceta num só texto. “Que pervertida essa menina. Não se dá o valor”. Boceta, boceta, boceta. O texto é meu e eu falo o quanto eu quiser. Está na hora de tirarmos as bocetas dos armários, limpar a poeira e botar elas para voar. Emílias, descubram suas bocetas esquecidas. Deixem que elas falem. Homens, incentivem suas Emílias a falarem sobre bocetas assim como vocês falam de pintos. Tenho certeza que você vai descobrir uma mulher muito mais empoderada e interessante ao seu lado. Autoconhecimento, babe. E depois dessa conversa de bocetas, aproveito pra avisar que o meu coletivo acaba de lançar um novo projeto. Uma festa que é uma peça e você pode participar dessa viagem sendo nosso apoiador. Nós (eu, minha bu e todas as outras bus do mundo) ficaremos muito felizes com o seu apoio. Clica aqui e saiba mais: zíper A FESTA  
CONTINUE READING ...